Fala Animal!


O ESQUECIDO TROVEJANTE

 

Acaba de ser anunciado (veja aqui) o retorno do herói Trovejante pelas mãos de seus criadores, Tom DeFalco e Ron Frenz. Pouca gente deve lembrar do personagem aqui no Brasil, e quem se lembra provavelmente tenha memórias mais de seu longo periodo como coadjuvante civil nas aventuras de Thor.

O herói é daquele tipo que não foi feito para o estrelado, mas sim para participações em equipes ou até minisséries, um daqueles personagens simpáticos que se torna o favorito de muitos quando está ao lado de outros heróis, mas que é logo esquecido quando enfrenta o fracasso do estrelato. E foi isso que aconteceu, mesmo quando ele estreou uma série mensal muito divertidade, que durou apenas 24 números.

É interessante notar que as editoras Marvel e DC estão retomando a ideia dos anos 90 de criar franquias em torno de seus personagens de sucesso. Os X-Men sempre tiveram várias revistas, mas agora vemos isso acontecendo com vários outros heróis: Lanterna Verde, Homem-Aranha, Sociedade da Justiça e principalmente os Vingadores.

Se todos esses projetos tivessem a qualidade da série original do Trovejante, tudo estaria ótimo, mas a verdade é que poucos mantém o pique, caso do Lanterna Verde, que em breve terá o terceiro título mensal interligado, ainda longe de dar sinais de queda de qualidade. Outros, por outro lado, como Sociedade da Justiça, enfrentam uma expansão forçada, que faz pouco ou nenhum sentido nas histórias.

Mas o que importante é que o Trovejante está de volta e, quem sabe, seja uma boa pedida para uma futura matéria especial recontando sua trajetória.



Escrito por Leonardo Vicente às 18h17
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


O RETORNO DO CARNIFICINA

 

O vilão Carnificina, aparentemente morto pelo Sentinela no início da péssima Novos Vingadores, retorna em outubro numa minissérie levando seu nome. Muita gente se pergunta como surgiu a popularidade do personagem. E a resposta é simples, não tendo muita ligação com os quadrinhos. O simbionte psicopata ficou muito famoso por conta do game Maximum Carnage, baseado no arco dos quadrinhos de mesmo nome. O jogo foi um sucesso ainda maior do que a HQ, e de fato era muito bom.

Só que o vilão rapidamente cansou. Alguns supervilões simplesmente não podem ser usados a todo momento. Carnificina, Apocalypse e outros são apresentados como forças destrutivas, assassinos sem remorso que, se estão em liberdade, sequer param para planejar, causando desgraças por onde passam. E, no caso de serem aprisionados, chega a ser ingênua a ideia de que não seriam condenados a morte. A saída é jogá-los em outras dimensões e criar outras formas alternativas de sumir com eles por algum tempo.

A verdade é que esse tipo de personagem funciona bem por uma, no máximo umas três vezes, depois é só repetição. Zeb Wells, o roteirista da mini (mais detalhes estão aqui) raramente escreve algo bom, mas ao menos desta vez veio com uma ideia que pode funcionar, criar uma nova hospedeira para o simbionte do Carnificina, talvez assim conseguindo tornar o personagem um pouco interessante, e não apenas um cachorro louco de pouco carisma.



Escrito por Leonardo Vicente às 12h29
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


A RESPEITOSA MARVEL DOS CINEMAS

 

Qualquer um que converse sobre quadrinhos comigo por mais de 15 minutos, percebe facilmente que sou um grande fã dos personagens da DC Comics. Porém, não por isso que negarei os méritos da Marvel.

E, ao meu ver, o maior mérito da Marvel no momento são os filmes que ela mesma produz (pq nas mãos de outras produtores sempre há riscos de bombas do nível de Quarteto Fantástico e Motoqueiro Fantasma). A imagem acima é do filme de Thor, a primeira divulgada oficialmente, mostrando pela primeira vez o visual do deus do trovão das telas. E, mesmo que não mostre muito, já basta para empolgar, afinal o personagem está bem fiel ao seu uniforme atual das HQs, tendo como maior mudança apenas a barba, algo que combina muito mais com um personagem de cultura viking, e usado diversas vezes nos quadrinhos.

Thor será o terceiro filme produzido pela Marvel, e mais uma peça no caminho para construir a adaptação cinematográfica dos Vingadores. Embora nestes filmes exista uma mistura dos elementos clássicos com as versões Ultimate dos personagens (casos de Nick Fury e Abominável, por exemplo), uma coisa me surpreende e consegue me agradar e deixar decepcionado ao mesmo tempo.

Cada vez mais parece que a Marvel demonstra mais respeito por seus personagens no cinema, mas não nos quadrinhos. Vamos pegar o exemplo do Homem de Ferro para facilitar.

 

Sem uma grande história há anos, Tony Stark nos quadrinhos sofre mudanças drásticas uma atrás da outra na tentativa de chamar atenção. Mesmo a última boa história do personagem, Extremis, que apresentou uma boa nova armadura, atualizou competentemente a origem do herói e vendeu muito; com o passar dos tempos desagradou muita gente pelo simples fato de abalar uma característica muito importante do Homem de Ferro, ignorando que ele é um homem cheio de falhas. Claro, estou falando os poderes que ganhou, que o tornaram alguém quase infálivel e invencível.

No caminho contrário, daí para frente o personagem teve defeitos até demais, por vezes sendo retratado como um verdadeiro vilão, e em outras ocasiões como um completo imbecil. Quase todos os problemas atuais do Universo Marvel foram direta ou indiretamente culpa de Stark: a invasão dos skrulls, o ataque do Hulk, a Guerra Civil, a ascensão de Norman Osborn, e até a morte do Capitão América.

Já nos cinemas, Stark age do jeito que quer, mas sendo fiel aos conceitos que são a base do personagem, cheio de defeitos, mas daqueles que servem para deixá-lo mais humano e interessante, nunca passando por cima de sua personalidade e histórico para chamar atenção de maneira forçada, como vem sendo feito nos quadrinhos repetidas vezes.

E é por isso que assistir a Homem de Ferro 2 nos cinemas foi mais prazeroso do que ler a quatro anos seguidos do gibi do herói. Quem sabe não seja hora da Marvel cuidar de seus personagens originais tão bem quanto cuidam de suas novas versões para as telas...



Escrito por Leonardo Vicente às 18h12
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Homem de Ferro 2

 

Hoje pela amanhã aconteceu a cabine de imprensa de Homem de Ferro 2 em São Paulo. Filme visto, espectativas quase todas respondidas. Um review detalhado ainda vai entrar no HQM, mas vamos esclarecer antes alguns pontos importantes que muita gente vem se perguntando:

- A diversão e a ação continumam no mesmo nível? Não, não continuam, afinal este segundo filme é ainda mais divertido e mais cheio de aç~eo do que o primeiro

- Existe cena depois dos créditos? Sim, mas, assim, como no primeiro filme, ela não foi exibida para os jornalistas! Não que eu estivesse precisando de uma desculpa para ver o filme novamente...

- Nick Fury, Viúva Negra e Máquina e Combate participam ativamente da história? Sim! Todos os personagens ganham seu espaço, mesmo que nem todos em cenas de ação.

- Existem citações a outros heróis Marvel? Sim, como sempre de maneira não muito direta, mas estão lá ao menos duas delas (há uma que ainda estou na dúvida).

- Vale a pena ver no cinema? Claro!

Nos próximos dias o review completo estará no HQM, bem como uma matéria "derivada" do filme.



Escrito por Leonardo Vicente às 16h55
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


De Volta para o (Batman do) Futuro

Terry McGinnis, o Batman do Futuro, retorna em junho numa minissérie própria nos EUA. Os detalhes estão aqui: http://hqmaniacs.uol.com.br/principal.asp?acao=noticias&cod_noticia=24629

 

Batman Beyond #1

 

Mas desta vez não quero falar de novidades, mas sim relembrar a animação Batman do  Futuro. Na época achei o desenho bem inovador, ao mesmo tempo em que respeitava o passado em alguns detalhes, como Barbara Gordon tomando o lugar de seu pai como comissário de polícia, o cão Ace, a limosine de Bruce Wayne que era um Batmóvel adaptado e por aí vai.

A série tinha a habilidade de criar tramas fechadas que funcionavam muito bem, e não se travava apenas de um substituto de Batman. Terry era um Batman bem diferente, muitas vezes lembrando as melhores aventuras do Homem-Aranha nos 70, com direito a coadjuvantes "civis" cativantes, problemas com a família e na escola, inimigos relacionados à vida pessoal e outros elementos em comum.

Mesmo se passando no futuro, vez por outra ressurgia algum inimigo de Bruce Wayne, embora isso fosse raro, algo surpreendente, afinal era de se esperar que a produção apalasse para isso mais vezes. Não foi o caso, e isso só ajudou a marcar ainda mais a série, a tornando ainda mais original, pois as participações especiais eram especiais de verdade, como os casos de Bane e Sr. Frio.

 

Em um dos episódios, surge até uma Liga da Justiça do futuro, liderada por um Superman um pouco envelhecido e cheia de caras novas. Anos depois, ficaria fácil notar que essa Liga ajudou a desenvolver a série animada da Liga do presente, acabando até por aparecer parcialmente na série. Ironicamente, Batman do Futuro foi o começo da Liga animada, para anos depois ter sua história concluída justamente num episódio da Liga.

Batman do Futuro ainda deu alguns frutos: uma minissérie e uma série mensal em quadrinhos, e a animação derivada Projeto Zeta, estrelada pelo robô Zeta, que surge em Batman do Futuro. Infelizmente a qualidade de Zeta não era digna de nota, até porque o desenho era indicado para um público um pouco mais jovem.

 

Mas o derivado mais lembrado é sem dúvida o longa-metragem Batman do Futuro: O Retorno do Coringa, que chegou a ter tambem uma adaptação em quadrinhos. A trama mostrava Batman e companhia no presente enfrentando o Coringa pela última vez. No futuro, o vilão retorna, o que acaba por desvendar uma trama que abalou os herois de Gotham no passado.

Batman do Futuro marcou época e deixou boas lembranças, resta esperar apenas duas coisas: que a nova minissérie tenha a mesma qualidade que o desenho, e que a Warner se digne a lançar os DVDs do programa no Brasil.



Escrito por Leonardo Vicente às 20h38
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Os mais poderosos heróis da Terra

No mundo dos quadrinhos é comum (por vezes até demais) vermos ideias, boas ou não, serem recicladas infinitamente. Mortes, ressurreições, clones, substituições, vilões se regenerando, tudo isso foi mostrado inúmeras vezes nas grandes editoras Marvel e DC.

E o motivo é bem simples, no geral, o público gosta destas coisas. Como as vendas vão bem nestas ocasições, é claro que as editoras continuam a repetir os mesmos eventos. Sem querer discutir a validade ou não disso, vamos falar sobre uma tradição antiga dos quadrinhos.

Hoje em dia sagas surgem uma logo depois da outra, reunindo dezenas de personagens. Mas, antigamente, só existia um meio de reunir vários personagens. E este meio eram as superquipes. Era uma maneira de mostrar os principais heróis de uma editora em uma única história frequentemente. Claro, existem muitas equipes com personagens criados para elas, mesmo que depois conquistem seu espaço sozinhos. X-Men, Quarteto Fantástico e outras são prova disso.

Vingadores

 

Mas, desde os dias do surgimento da Sociedade da Justiça, pouco a pouco foi se tornando comum ver os heróis mais famosos ou mais rentáveis da Marvel e da DC em equipes. Na Marvel, o exemplo disso são os Vingadores, e na DC é a Liga da Justiça. Ambas as equipes não só reunem os rostos mais conhecidos das editoras, junto de outros personagens menos populares, como são a principal linha de defesa da Terra contra todo o tipo de ameaça.

Tudo bem, Marvel e DC têm essas equipes. Mas e as outras editoras? Bem, algumas tentaram, como a Malibu, que teve a Ultraforça. Mas a verdade é que nunca nenhuma outra editora teve uma equipe composta por seus maiores personagens fazendo sucesso. Os motivos são muitos, mas na maioria das vezes a coisa é bem simples: boa parte destas editoras menores não possuem personagens famosos o bastante para criar uma equipe neste moldes.

Liga da Justiça

 

Já na Image Comics, o problema sempre foi outro. Por lá, os criadores detinham os direitos de seus personagens, portanto fica muito dificil reunir numa equipe fixa heróis criados por diversas pessoas. Analisando com cuidado, veremos que com o passar dos anos os heróis da Image cada vez se isolaram mais de seus companheiros. No entanto, dois nomes da editora sempre tentaram reunir os personagens: Erik Larsen e Robert Kirkman (e não falo isso porque suas criações são publicadas no Brasil pela HQM Editora). Ambos sempre encheram suas revistas de participações de outros heróis. Depois que Kirkman se tornou sócio da Image, isso só aumentou, até que foi anunciado o projeto Image United, reunindo os principais heróis da editora, algo que não aconteceia há muitos anos.

Invencível nos Guardiões Globais  Spawn nos Guardiões Globais

 

Após a saga, conforme já noticiado no HQM, terá início uma revista dos Guardiões Globais, sem maiores detalhes revelados até o momento, apenas dois de seus integrantes: Invencível e Spawn. Ironicamente, os Guardiões surgiram nas páginas de Invencível justamente como uma homenagem à Liga da Justiça. Ao que parece enfim a Image terá sua grande equipe. A editora vem divulgando os membros um a cada dia, então acompanhe o HQM para saber quem serão os próximos.



Escrito por Leonardo Vicente às 13h44
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Vingadores por todos os lados

Desde a horrível saga Vingadores: A Queda, a equipe dos heróis poderosos da Marvel vem sofrendo mudanças (e a palavra chave na frase é "sofrendo") a todo momento.

Se tornado sucesso de vendas de maneira surpreendente, tendo em vista a baixa qualidade da maioria do material lançado desde então, os Vingadores deixaram de ser uma equipe, e passaram (ou voltaram, já que anos atrás tivemos Vingadores da Costa Oeste, Vingadores Centrais e em menor grau de "parentesco", a Força-Tarefa) a ser uma franquia.

Outro dia li no Twitter uma frase que descreve bem a situação: "os Vingadores estão igual ao McDonald´s: qualquer um pode abrir sua própria franquia". Pode parecer exagero, mas vamos lá: no momento temos Novos Vingadores, Poderosos Vingadores, Vingadores: A Iniciativa, Vingadores Sombrios, Pet Avengers (com animais como Dentinho e Zabu) e mais uma equipe que acredito ser inédita no Brasil, mas que em breve dará as caras na Iniciativa.

Pet Avengers

 

Recentemente a Marvel até nos animou revelando que cancelaria todos os títulos de Vingadores depois da saga Cerco, lançando depois um chamado simplesmente Vingadores, trazendo uma formação mais clássica. Mas a editora "pegou os trouxas" com essa, já que pouco depois anunciou Avengers Academy, Secret Avengers e a volta dos Novos Vingadores, com a mesma equipe criativa e quase os mesmos integrantes.

Nada contra franquias, mas não adianta vender bem sem qualidade (para a editora adianta, mas nós leitores tendemos a não gostar disso...). A verdade é que poucos destes títulos fazem algum sentido.  O melhor era sem dúvidas Iniciativa, que conseguiu usar poucos Vingadores clássicos, mas que ao mesmo tempo tinha uma razão de ser perfeita: treinar a próxima geração de heróis da Marvel.

Avengers Academy

 

Espero que Academy siga o mesmo caminho, criando novos personagens, resgatando gente sumida, e sendo bem escrito, ao contrário do material criado por Brian Michael Bendis, tão bom em Demolidor e Alias, mas mediocre à frente dos Vingadores.  E pensar que tudo isso começou com a Feiticeira Escarlate enlouquecendo por conta de uma falha cronológica de Bendis, que por algum motivo misterioso cismou que ela esqueceu da existência de seus filhos, coisa que só aconteceu na cabeça do roteirista.

 



Escrito por Leonardo Vicente às 21h05
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


O retorno de Darwing Duck

Alguém lembra do desenho Darkwing Duck?

 

 

Era uma série animada da Disney muito divertida, com um pato herói tirando sarro de vários elementos dos quadrinhos de super-heróis, puxando mais para o Batman, é claro.

Bem o personagem voltará em uma minissérie em quadrinhos publicada pelo Boom! Studios, que vem resgatando os personagens da Disney nos EUA com sucesso nos últimos meses. Detalhes estão aqui:

http://hqmaniacs.uol.com.br/principal.asp?acao=noticias&cod_noticia=24555

Numa época em que todos reclamam que não existem quadrinhos que atraiam crianças, a Boom! vem conseguindo isso nos EUA, contando ainda com os Muppets e os personagens da Pixar nas suas fileiras.

 



Escrito por Leonardo Vicente às 13h11
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


O bom exemplo dos professores

Acabai de voltar da Rua Augusta, onde o caos se instalou pela milésima vez, graças a mais uma manifestação na Paulista e Consolação. Belo exemplo os professores mandam ao fazer isso, parecem crianças birrentas, bravas com sua situação (em alguns casos com razão, outros nem tanto), querendo prejudicar toda a cidade ao invés de fazerem algo válido.

Se querem reclamar, que se dirigem à prefeitura de forma ordenada, que façam manifestação em seu sindicato, ou seja, que atormentam a vida de quem está de fato envolvido no assunto, parem de criar esse inferno na cidade.



Escrito por Leonardo Vicente às 18h27
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Tudo no escuro

Ninguém pode dizer que falo só de cultura nerd. Ontem de madrugada, no meio da atualização do HQM, eis que o apagão se repete! Durou poucos minutos, mas pelo que apurei, ao menos parte da Rua Augusta, Martinho Padro e Santo Antonio, entre outras localizações do centro de SP, ficaram sem luz.

O problema não é a duração, mas a regularidade com que isso vem acontecendo em diversos bairros não só de SP, mas de outras cidades e estados. Mas nossos politicias, como sempre, só repetem "está tudo bem".



Escrito por Leonardo Vicente às 16h15
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Um começo e um fim

Por mais que os profissionais dos quadrinhos brasileiros se esforcem, é raro algum alcançar grande sucesso em seu próprio país. A exceção são os cartunistas, um "ramo" dos quadrinhos que sempre teve grande destaque no Brasil.

Por isso, é triste iniciar este blog justamente no dia em que perdemos um grande nome deste mercado: Glauco, morto a tiros na última madrugada, junto de seu filho, Raon. Infelizmente, ao invés de relembrar a importante carreira do cartunista, a maioria dos jornalistas dedicou seu tempo a simplesmente repetir as dezenas de versões do crime que já surgiram. Já é um triste hábito a imprensa brasileira não desvendar nada, apenas repetir as declarações dos envolvidos, sem apurar os dados, sem comparar declarações, sem ter qualque opinião. E desta vez não foi diferente, até o local do falecimento de Glauco mudou mais de uma vez nas diversas notícias.

O que realmente importa é que os assassinos ainda estão livres e que perdemos um grande nome não só dos quadrinhos, mas da televisão e humor, alguém que tinha a habilidade apurada de nos fazer rir, ao mesmo tempo em que criticava as tantas coisas erradas de nosso mundo, como atestamos abaixo:

 



Escrito por Leonardo Vicente às 15h45
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


Fala Animal! O Retorno

Fala Animal!, minha coluna no HQManiacs, retorna muito em breve, mas antes disso, ela retorna através deste blog, falando não só de quadrinhos, mas um pouco de tudo, afinal a ideia é que esse animal aqui fale bastante!

O blog acaba de ser criado, então o visual ainda está bem pobre, mas isso irá mudar as poucos.



Escrito por Leonardo Vicente às 15h15
[ ] [ envie esta mensagem ] [ ]


[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
 
Meu perfil





BRASIL, Sudeste, SAO PAULO, BELA VISTA, Homem, de 26 a 35 anos, Portuguese, Quadrinhos



Histórico


Votação
Dê uma nota para
meu blog



Outros sites
 HQManiacs
 Siga o HQM no Twitter
 Me siga no Twitter
 UOL - O melhor conteúdo